O bell boy



Bell boys são conhecidos basicamente como mensageiros de hotel. São como office-boys em escritórios, encarregados de fazer os mais diversos serviços, entre eles, no caso do hotel, o de levar as malas dos turistas. Uma característica muito vista em filmes é aquele rapaz de uniforme pomposo e com chapéu típico (que não é comum ser visto mais por aí). No caso de um bell boy de navio, estará encarregado: de andar a embarcação inteira, levando recados, contas, impressos da companhia (jornais, informativos de passeios turísticos do dia seguinte e etc); conduzir passageiros que têm dificuldades de encontrar suas cabines, em meio às inúmeras existentes em diversos pisos, além de ajudar com malas e afins. Enfim, será um faz tudo. Quando fui à entrevista na agência Fatto, uma das perguntas que o recrutador, em inglês, fez, era se eu estava preparado para, inclusive, carregar caixão de algum passageiro que venha a morrer a bordo, pois essa também é a função do bell boy: levar o caixão até a família. Achei que estava entendendo errado, mas não. Mas isso, lógico, trata-se de um extremo da profissão – não ocorre todo dia.



História – Era tradição em hotéis (hoje só se vê em empresas mais conservadoras/antigas) a presença de um sino (bell) no balcão para acionar o bell hop, como eram chamados os bell boys antes (ou ainda “paquetes”, em Portugal). A ideia é de que o bell (sino/sineta/campainha) toca e o jovem funcionário deve dar um hop (pulo) imediato de onde estiver, para atender o pedido. Normalmente nessa função há mais garotos, porém em navios há ainda bell girls, já que, as funções não são exatamente para carregar peso, mas serviços mais gerais.

É comum ainda haver em navios o bellman, que costuma ter a função específica de levar de fato as malas todas em dias de embarque. São os homens mais fortes e que pegam mais peso.

Rapidez, rapidez, simpatia, eficiência e mais rapidez. Ingredientes fundamentais para um bom bell boy. Um bell boy costuma ser muito visado, pois no navio atua entre o pessoal do crew (tripulantes em geral), entre staffs (chefes e altos cargos) e guests (hóspedes). E deve conhecer e se deslocar facilmente entre os diversos pisos, setores, salas, cabines e tudo mais que há a bordo.

Ainda sobre a questão de tudo ver e ouvir, há um exemplo interessante de um bell boy conhecido. Theodore Judd Serios (27/11/1918 – 30/12/2006) foi um bell boy de Chicago, que em 1960 ficou conhecido por um talento seu: fotografar o pensamento das pessoas, por meio de uma máquina Polaroid. A técnica de Serios, que era um conhecido sensitivo, consistia em criar um mecanismo que dava às imagens uma margem escurecida, daí a impressão de serem pensamentos.

Bell Boy é ainda o nome de uma música do The Who, no álbum Quadrophenia e também o nome de um filme clássico do humor: “The Bellboy” (Mensageiro Trapalhão). Ele foi escrito e dirigido por Jerry Lewis, em 1960.





Fotos: Masterfile
Marcadores: | edit post
6 Responses
  1. Zé Henrique Says:

    Eli, queria uma ajuda tua para dar uma paginada no meu blog...

    como fazemos?
    te passo a senha e tu fica a vontade?


    abraços


  2. eLi Says:

    Vejamos, vejamos!
    Temos de ver o que você pretende fazer/mudar/alterar/repaginar!
    Passo lá e vemos um jeito!


  3. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    caraca...teu template fez sucesso....eu ja quis usar esse desde o comeco mas n sei mudar kkkkkkkkkkkkkk
    manda teu msn pro email do meu blog.... se der


  4. eLi Says:

    Aahhahah
    Essa história vai ficar engraçada!!!
    A gente se fala, ok, Bárbara?!

    Beijo!


  5. Carol Binato Says:

    Aiiii
    Como adoro ler seus textos, seus 'pensamentos'...
    São culturais, bagagens de conhecimento...
    Falando em bagagens... meu coração já está pequenino de tanta saudades!
    Bjocas


  6. eLi Says:

    Nem fale, Carol!
    O sentimento agora é de pré-saudades, em substituição à ansiedade que havia ao extremo antes!
    Pois é, tenho mais uma semana de divisão de mesa com você e depois é partir!

    Obrigado por sua sempre presença, sempre!

    Beijos!